Evento ocorreu na maior feira de inovação e negócios da América Latina.

Fórum Encadear Summit abordou inovação, transformação e supply chain na 30ª Mercopar

Foto: Dudu Leal.

A programação desta terça-feira (5) da 30ª Mercopar contou com a terceira edição do Fórum Encadear Summit, que ocorreu no Centro de Feiras e Eventos Festa da Uva, em Caxias do Sul, das 16h às 20h. O encontro, que aconteceu na data que celebra o Dia Nacional da Micro e da Pequena Empresa, tinha o objetivo de ampliar a disseminação dos conceitos e das práticas de encadeamento produtivo com foco nos ganhos das cadeias de valor e na inovação dos negócios. Na abertura, o executivo-chefe do Sebrae RS, Alessandro Machado, e o diretor técnico do Sebrae RS, Ayrton Ramos, explicaram o funcionamento do Fórum, que foi dividido em três momentos e palestras diferentes, e destacaram cases de parcerias da instituição gaúcha com grandes companhias.

No painel Inovação Rápida e Exemplos de Aplicação, o engenheiro eletrônico e diretor em Inovação na IBM Latin America, Agostinho Villela, apresentou as principais transformações digitais ocorridas durante a pandemia, como a compra de comida por apps, que aumentou significativamente. Outro ponto que foi destacado por ele é o crescimento do uso da inteligência artificial e do sistema por nuvem (cloud), além da utilização mais frequente de dados no varejo. “Um exemplo desse tipo de aplicação é o “pague online e pegue na loja”. O cliente ganha tempo fazendo isso em vez de ir até o local escolher o produto e comprar e o comércio economiza”, afirmou.

Inovação como estratégia também foi tema do evento

Outro painel que integrou a programação do Fórum Encadear Summit foi o Inovação como Estratégia: Impacto na cadeia produtiva, que abordou como processos e iniciativas de inovação refletem como um todo dentro das organizações. Com mediação do diretor-superintendente do Sebrae RS, André Vanoni de Godoy, o momento contou com a participação do CTO e diretor industrial das empresas do Grupo Florense, Felipe Luis Corradi; do superintendente Administrativo da Unimed Nordeste RS, Marcos Zago; e do diretor de Inovação da Meber, Marcio Chiaramonte. “As MPES precisam se atualizar e estar inseridas no encadeamento produtivo. Já as grandes empresas necessitam entender a importância da qualificação da cadeia produtiva”, ressaltou o diretor-superintendente do Sebrae RS, André Vanoni de Godoy.

Para o CTO e diretor industrial das empresas do Grupo Florense, Felipe Luis Corradi, o grande desafio da inovação é despertar no outro a mudança de pensamento. “Entre os pontos relevantes do nosso processo estão o despertar das pessoas, prepará-las e permitir que as mudanças aconteçam”, afirmou. Porém, reforçou que, para isso, é preciso haver alteração também na forma com que as lideranças pensam a respeito da inovação. “Para que possamos estar em um estado avançado na cadeia de valor, precisamos primeiro fazer a lição de casa”. Para o executivo, é preciso sair da zona de conforto e desafiar colaboradores e lideranças. “Assim, vamos criando os anticorpos da inovação”, acredita.

Já para o superintendente Administrativo da Unimed Nordeste RS, Marcos Zago, o foco da inovação da cooperativa está no dia a dia e na capacidade veloz de mudanças causadas pelas demandas atuais. “A área de TI se empenhou para criar um hospital completamente virtual, sem a utilização de papel. Utilizamos ferramentas para a gestão de leitos e trabalho médico”, conta Zago. Para a cooperativa, a realidade de atendimento auxiliou na mudança da maneira de pensar. “Em 2020 precisamos muito do relacionamento com a rede prestadora de serviços e com os fornecedores. As parcerias públicas e privadas também foram muito importantes nesse período”, diz, reforçando que a crise ajudou no desenvolvimento de um pensamento rápido das lideranças, com maior velocidade de decisão, e fortaleceu a conexão entre a cadeia de serviços de saúde. “A área de tecnologia clínica trouxe novas ferramentas para dentro da cooperativa”, ressaltou. 

Para o diretor de Inovação da Meber, Marcio Chiaramonte, a inovação que hoje se conhece como indústria 4.0, já era realizada em 1991, quando ele presenciou a montagem de um equipamento que realizava todo o processo de produção de sabonetes de forma automatizada. “O que naquela época era chamado de experiência, hoje nós chamamos de indústria 4.0”, disse. Segundo Chiaramonte, a história da Meber é marcada pela inovação. “Iniciamos com conserto de refrigeradores. Passamos para a produção de torneiras de chopp até chegar na produção de válvulas de conexão, que foi a responsável por fazer da empresa o que ela é hoje. A inovação sempre esteve presente”, contou. Para ele, a grande questão de ainda não estarmos mais à frente na corrida tecnológica é a burocracia dos processos legais. “A burocracia e as leis dificultam a inserção de tecnologias, fazendo com que fiquem ultrapassadas devido a sua rápida velocidade de evolução.”

Para encerrar o painel, o gerente de Planejamento Estratégico e Inovação da Cibra, Rafael França, afirmou que a inovação veio para a organização a partir da necessidade de um olhar atento para a experiência do cliente e do público interno. “Foi preciso uma mudança de cultura voltada ao relacionamento com o cliente e colaborador” afirmou. A partir do lançamento do e-commerce, a empresa teve a possibilidade da coleta de dados para segmentar e efetivar negócios. Outro ponto destacado pelo executivo foi a inserção de assistente virtual em demandas específicas, que possibilitaram a otimização de processos.

Os desafios e as tendências de supply chain

Mediado por Daniel Pacheco Lacerda, professor de Engenharia de Produção da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), o painel O futuro da supply chain contou com a participação do gerente de Planejamento e Logística da STIHL, Alex Souza, e do Marcelo Giovani Guimarães, diretor de Planejamento Industrial da Usaflex.

Souza contextualizou a STIHL no cenário mundial detalhando os 18 mil colaboradores, a produção em sete países, 54 mil revendedores especializados e 120 importadores. “Atualmente, é complexo falar sobre o contexto da supply chain. Com a pandemia, mudou totalmente o padrão de consumo e produtos que por vezes não requeriam containers ou navios especializados para transporte e passaram a utilizar”, conceituou. Segundo ele, o mercado apresenta uma demanda 20% maior do que a capacidade instalada e completou que mesmo com o fim da pandemia, estes desafios da falta de dispositivos devem se manter. “A STIHL teve uma alta de demanda durante a pandemia e tivemos um aumento de 40% em vendas em comparação ao período pré-pandêmico”.

O gerente de Planejamento e Logística da STIHL ainda destacou as principais tendências na área para enfrentar o cenário, que são: encontrar e atuar sobre os riscos ocultos, identificar as vulnerabilidades, diversificar a cadeia de fornecedores, manter estoques de segurança, repensar o trade-off e adotar a inovação do processo. “A resposta a estes movimentos precisa ser ágil, para evitar que os concorrentes aumentem market share. Inclusive, conseguimos elevar o índice da STIHL neste sentido, em razão da falta de insumos e dispositivos dos demais players no mercado”, concluiu.

Já Guimarães ressaltou a produção da Usaflex de mais de 100 milhões de sapatos nos 22 anos de atividades, com quatro unidades fabris, três mil colaboradores e 850 fornecedores ativos. Entre estas empresas, há as subcontratadas permanentes da Usaflex, de pequeno porte e que muitas vezes não estão maduras para um debate sobre digitalização. “Antes de inovar, precisamos conhecer muito bem a nossa cadeia, para que possamos direcionar os esforços para agregar valor. Entendemos que o processo precisa ser aprimorado e que esse pessoal precisa evoluir. Auxiliamos neste sentido desenvolvendo-os por meio de um programa do Sebrae”, relatou.

Entre as principais ações da organização, o diretor de Planejamento Industrial da Usaflex destacou a criação do e-commerce, em 2019, e a evolução no processo de entrega dos produtos. “Buscamos soluções para agilizar o processo e até mesmo novos modais para execução. Hoje, temos uma startup recém contratada para fazer entregas em São Paulo que adota um sistema muito similar ao Uber e realiza o processo entre 1h e 2h, no máximo. Os produtos só agregam valor quando eles estão em poder dos consumidores para usufruí-los”, concluiu.

Protocolo de Segurança Sanitária

Aos moldes do ano passado, quando foi a única feira presencial industrial realizada no país cumprindo todos os procedimentos para a sua realização em meio à pandemia do novo coronavírus, a edição de 2021 contará com rígidos protocolos de segurança sanitária durante o evento. Saiba mais aqui.

Sobre a Mercopar

A Mercopar é um espaço de geração de geração e negócios, disseminação de conhecimento sobre tendências da indústria e estímulo à economia. A maior feira de inovação e negócios da América Latina bateu recorde em 2020, com R $ 128 milhões em negócios gerados para os segmentos metalmecânico, tecnologia da informação, energia e meio ambiente, borracha, automação industrial, plástico, eletroeletrônico, movimentação e armazenamento e Iniciantes. A visitação durante os três dias do evento é gratuita mediante credenciamento online .

A visitação durante os três dias é gratuita e limitada, mediante credenciamento online em https://bit.ly/Credenciamentomercopar. O público pode acompanhar as atrações também de forma virtual, por meio da plataforma da 30ª Mercopar, no link https://bit.ly/MercoparDigital2021. Para participar, é necessário ter idade mínima de 18 anos, visto que a Feira tem caráter técnico de negócios.

Mais informações podem ser indicados no site www.mercopar.com.br

Notícias

Mercopar 2021 supera expectativa e bate recorde com R$ 224 milhões em negócios gerados 4

Mercopar 2021 supera expectativa e bate recorde com R$ 224 milhões em negócios gerados

Promovida pelo Sebrae RS e pela FIERGS, a 30ª edição da Mercopar - Feira de Inovaç...

LEIA MAIS
Blockchain e suas aplicações foram temas de painel da 30ª Mercopar

Blockchain e suas aplicações foram temas de painel da 30ª Mercopar

Convidados abordaram como a rede vinda da criptomoeda irá impactar no mundo dos negóc...

LEIA MAIS
Tecnologias e futuro energético brasileiro são discutidos no último dia da 30ª Mercopar, em Caxias do Sul

Tecnologias e futuro energético brasileiro são discutidos no último dia da 30ª Mercopar, em Caxias do Sul

Fórum de Energia Distribuída debate a importância e a necessidade de buscar fontes a...

LEIA MAIS
Avanços da liberdade econômica foi tema de painel na Mercopar

Avanços da liberdade econômica foi tema de painel na Mercopar

Momento reuniu representantes de poder público municipal e federal no IV Seminário Br...

LEIA MAIS
Ver todas as notícias
Realização

Realização
Patrocínio Master
Patrocínio
Apoio
Cia Aérea Oficial
Apoio Institucional